Close

Desafios e Futuro do Santuário

Desafios e perspectivas de futuro para o Santuário da Virgem Mártir Santa Eufémia de Penedono

O Código de Direito Canónico, no cân. 1230, dá-nos esta definição: “Sob o nome de santuário, entende-se a igreja ou outro lugar sagrado, aonde os fiéis em grande número, por algum motivo especial de piedade, fazem peregrinações, com a aprovação do Ordinário local”. Um santuário é um templo ou um lugar sagrado, ponto de confluência de peregrinações, no qual se veneram, com particular devoção relíquias ou imagens de santos, da Virgem Maria ou de Jesus Cristo.
Os santuários oferecem aos fiéis meios de salvação abundantes, anunciando com diligência a palavra de Deus, incentivando adequadamente a vida litúrgica, principalmente com a eucaristia e a celebração da penitência, e cultivando as formas aprovadas de piedade popular. Assim, os santuários são como pedras miliares que orientam o caminho dos filhos de Deus sobre a terra, promovendo a experiência de convocação, encontro e construção da comunidade eclesial.
O santuário oferece um precioso serviço a cada uma das igrejas particulares, cuidando sobretudo da proclamação da palavra de Deus, da celebração dos sacramentos da reconciliação e da eucaristia. Este serviço exprime e vivifica os vínculos históricos e espirituais que os santuários têm com as Igrejas, no meio das quais surgiram, e requer a plena inserção da acção pastoral realizada pelo santuário na acção dos Bispos, com a particular atenção àquilo que em maior medida atém ao carisma do lugar e ao bem espiritual dos fiéis, que para ali se dirigem em peregrinação.
Reflectir, sobre a natureza e a função do santuário pode e deve contribuir de maneira eficaz para acolher e viver o grande dom de reconciliação e de vida nova, que a Igreja oferece continuamente a todos os discípulos do Redentor e, através deles, à inteira família humana. Daqui deriva o sentido e o objectivo desta reflexão, que deseja fazer-se eco da vida espiritual que deve nascer no santuário da virgem mártir santa Eufémia de Penedono e, do empenho pastoral de todos que ali exercem o seu ministério sejam sacerdotes ou leigos.
Ao percorrermos a história do santuário de santa Eufémia de Penedono, damo-nos conta que ele “nasceu” graças ao comprimento de um voto feito à “milagrosa” mártir à quase 400 anos. Tendo depois disso a devoção a esta mártir aumentado, espalhando-se pelos cristãos de toda a região do Douro e da Beira Alta, sendo o santuário que lhe foi construído nos arredores de Penedono o ponto de encontro para a manifestação dessa mesma devoção.
Ao longo destes quase 400 anos, a pequena ermida que inicialmente foi construída para o comprimento desse voto, transformou-se num grandioso santuário, quer pela grandeza das suas construções e extensa área, quer pelos milhares de peregrinos que todos os anos ali se dirigem em romaria, para pedir o auxílio e protecção da virgem mártir ou, agradecer as graças já recebidas.
A afluência de tantos peregrinos deve ser para os responsáveis deste santuário e de todo concelho de Penedono, um motivo de orgulho, mas ao mesmo tempo um motivo de reflexão e até preocupação.
Reflexão no sentido, de que o santuário deve saber apresentar e transmitir através da sua acção pastoral uma teologia ou mensagem muito própria. Essa mensagem deve imanar daquela que ali se venera, daquilo que foi a sua vida e o testemunho que brota da sua virgindade e do seu martírio. Nunca poderemos confundir os crentes de santa Eufémia com uma teologia mariana, ou uma mera imitação daquilo que se faz a nível pastoral noutros santuários. Maria tem o seu lugar na vida de todos os crentes com uma mensagem muito própria, tendo o seu espaço na vida de todos os cristãos, tal como a mensagem que é apresentada noutros santuários.
O santuário de santa Eufémia tem que apresentar, através da sua acção pastoral, uma mensagem aos seus peregrinos, com um carisma próprio, que brote sobretudo do testemunho do martírio. Do martírio de ontem presente nos milhares de mártires que deram a sua vida por Cristo nos vinte séculos de história da Igreja, mas também do martírio de hoje, mostrando que o martírio sempre acompanhou e esteve presente na Igreja desde a sua génese até aos dias de hoje, sendo Cristo por excelência o Mártir dos Mártires, ao dar a sua vida no alto da cruz por toda a humanidade.
Urge pois, dar a conhecer a vida de santa Eufémia, para purificar de vez, o termo que tantas vezes ouvimos como “nossa senhora santa Eufémia”, para que ela seja citada como a “virgem mártir santa Eufémia” e, desta afirmação possa imanar o conhecimento da sua vida como força e exemplo para a vida concreta do crente. A este propósito, o santuário irá apresentar brevemente aos peregrinos uma nova escultura iconográfica da virgem mártir santa Eufémia, uma vez que actualmente estão duas presentes ao culto; a que se encontra ao culto no retábulo mor e que podemos dizer que é a mais antiga, mas que se torna tão distante dos seus peregrinos e a escultura que habitualmente sai nas peregrinações em procissão, mas que é totalmente diferente da primeira. Sendo esta de fraca qualidade artística e de pouco significado hagiográfico. Esta última irá ser substituída por uma escultura nova, que transmita aos peregrinos uma imagem do testemunho da virgem mártir santa Eufémia que possa ser guardada no coração e dada a conhecer a outros que ainda nada saibam da sua vida e das graças que ela concede.
É também urgente, no amplo espaço do santuário, a apresentação de símbolos que possam transmitir ao peregrino que ali vem, a ideia do lugar em que se encontra e, de quem é aquela que ali se venera. Pensamos que a elaboração e construção de uma via-sacra com os mártires da igreja poderá colmatar esta lacuna, tal como a apresentação de grandes pinturas em painéis onde o peregrino, possa rapidamente ficar a conhecer a vida da mártir, criando desde logo no seu coração um ambiente de reflexão, meditação identificando-se com o lugar.
A nível pastoral, é necessário também a elaboração de mais actividades que possam congregar mais peregrinos, através da celebração do sacramento da eucaristia e da penitência com mais frequência na capela do santuário e dos sacramentos do baptismo e matrimónio.
Pretende o santuário que, durante o mês de Agosto se estimule uma peregrinação anual com os emigrantes, também, eles tão devotos da virgem mártir santa Eufémia, para que possam levar no seu coração, ao partirem para os países que os recebem a mensagem que ela lhes transmite.
Para que a mensagem possa chegar mais correctamente aos peregrinos e mais longe, urge também que durante os meses de maior visita os peregrinos possam encontrar no santuário alguém que os acolha, os informe e lhes possa servir de guia. A isto junta-se a necessidade da criação de um site do santuário que possa transmitir e dar a conhecer a todo o mundo, a vida e a mensagem da mártir santa Eufémia e o santuário a ela dedicado na vila de Penedono.
A todas estas preocupações pastorais que também têm os seus custos, juntam-se as preocupações materiais, que vão desde a manutenção da capela ao amplo espaço do santuário.
Ao longo destes quase 4 séculos de história do santuário, é certo que os peregrinos, têm sido muito generosos, o que permitiu que se tenham adquirido terrenos que possibilitem ao santuário ser um espaço tão amplo e que fossem feitas tantas obras no santuário. Hoje porém, as ofertas dos peregrinos somente dão para a manutenção da capela e despesas da grande romaria dos dias 15 e 16 de Setembro mais as despesas correntes.
A capela, necessita urgentemente de várias obras de restauro, presentemente é o telhado que se encontra em péssimas condições, seguem-se os 3 retábulos que apesar do seu pouco valor artístico, necessitam de ser reestruturados, dado que já cederam muitos centímetros da sua posição inicial, sendo urgente serem desmontados, para que a madeira seja tratada e corrigidas as suas falhas, tendo que depois haver uma intervenção em toda a sua policromia.
Estas obras, a longo prazo e contando com a generosidade dos peregrinos, o santuário poderá suportá-las, contudo fica de fora toda a restante área do santuário, da qual destacamos o recinto da feira e o parque de merendas.
O recinto da feira, apesar de já estar todo iluminado e ter água canalizada, necessita que as suas ruas sejam calcetadas, o que permitiria uma maior limpeza do espaço e um maior rigor na distribuição dos feirantes, podendo este espaço ser posteriormente utilizado noutros eventos e actividades em prol do concelho de Penedono.
Os parques de merendas, necessitam de ser reestruturados, com a plantação de novas árvores que possam dar sombra e embelezar os espaços, um maior número de mesas onde os peregrinos possam comer, descansar e meditar. É necessário um maior aproveitamento da grande quantidade de água que brota nos vários nascentes do santuário, o que permitiria a criação de espaços verdes e florais e na construção de novos tanques ou lagos, o que daria uma maior harmonia ao espaço.
A juntar a tudo isto, sentimos a necessidade, de dar um maior aproveitamento de todos estes espaços, seja no âmbito das actividades religiosas seja no âmbito de actividades mais profanas. O santuário necessita de transmitir a sua mensagem pela acção pastoral mais longe para que ela chegue a mais gente, tanto crentes como não crentes, todos têm espaço neste santuário. Para isso, necessitam não apenas de encontrar neste local um espaço agradável, bonito aos olhos de quem o visita, mas que através da mensagem que ele lhes transmite lhes toque o coração, sentindo que este espaço merece ser mais visitado.
O santuário da virgem mártir santa Eufémia é um marco na vila de Penedono, tendo apenas o seu magnífico castelo a ombrear com ele, mas é também um marco em todo o concelho, nos concelhos vizinhos, na diocese de Lamego e dioceses vizinhas, no distrito de Viseu e distritos vizinhos. Podemos dizer que cabe a todos e não apenas aos responsáveis do santuário, olhar por este espaço, como um espaço que é nosso e que faz parte da herança de cada um de nós, pelo seu património religioso, cultual, e da herança de toda esta região do interior do Douro e da Beira.